O coletivo 24h surge da necessidade de fundir trabalho e vida. Partido de um programa para a cidade, de livre circulação permanente de meios, idéias e pessoas, o coletivo propõe intervenções urbanas, performances audiovisuais interativas e produções iconográficas.

Nossas referências vão desde o cinema marginal, a tropicália, op e pop art e todos os movimentos que se apropriam e se relacionam com a cultura de massa. Buscamos uma reflexão sobre a era digital e a vida cotidiana, apontando caminhos em direção à libertação dos indivíduos através da arte.

Além da performance Cromocinética, que trabalha com a relação sinestésica entre imagem, som e formas puras, o coletivo possui projetos de instalações interativas, painéis-poemas modulares e happenings — como a burca maluca, uma releitura dos parangolés de Hélio Oiticica.

O coletivo 24h surgiu em 2009 e é formado por:

AMER MOUSSA formou-se arquiteto pela Universidade de São Paulo em 2008 e desde então arquitenta construções em diferentes códigos. Há dois anos colabora com as revistas mag! e Spot em assuntos político culturais. Como video designer já publicou reportagem no blog do jornal Primeira Mão, e mais de 30 produções no Youtube - além de projetar imagens na Festa Lego (CC), Perversa (Clube Glória) e Tapa na Pantera (aLoca). Dentro do Coletivo 24h vem pesquisando e produzindo intervenções urbanas como colagens e pixações, buscando sempre o desenvolvimento de um signo modular prototípico.

ARIANE STOLFI arquiteta, compositora e programadora, transa várias linguagens. Com mestrado concluído pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, sua ocupação principal é o design gráfico e desde 2008 ministra cursos e oficinas de design em entidades como o CCJ e o SESC. No Coletivo 24 horas, participa de intervenções urbanas, performances e colagens. Em 2004, começou a tocar como percursionista e a produzir música eletrônica, e desde então, compôs uma série de canções de diferentes gêneros musicais. É também dona do selo de gravações finetanks que reúne produções de vanguarda na música popular brasileira. Ultimamente, vem se dedicando ao estudo da programação de aplicativos audivisuais em Pure Data, como o desenvolvido para o projeto Cromocinética, que cria imagens de inspiração concreta a partir da interação com a música, numa relação sinestésica.

FERNANDO BIZARRI REQUENA. Cresceu entre pioneiros do pós-hardcore paulistano, enveredou-se para a improvisação-livre intrumental com a banda Cubo e o duo Fletcher+Munson e é hoje o homem por trás do Organograma. O projeto, de performance musical eletrônica iniciado em 2000, dedica-se à investigação formal e conceitual das relações estabelecidas entre tempo, espaço, cultura e política na música, em vista dos novos meios tecnológicos. O resultado deste trabalho dialoga com a virtualidade dos meios, explora a distorção das noções convencionais de tempo na experiência musical e caminha em reencontro ao transcedental no projeto estético da musica tectônica. Em 2009 o projeto foi destaque no website especializado FiberOnline e teve a provocativa faixa Teologia da Prosperidade publicada entre trabalhos de artistas do Brasil, EUA e Europa em Psicotropicodelia Music Vol. IV, coletânea dos principais artistas do netlabel difusor de musica eletrônica livre Psicotropicodelia. Uniu-se ao coletivo 24h a partir do projeto Cromocinética.

:::::::::::::::::::::::::

24h Collective is:

AMER MOUSSA architect graduated on the University of São Paulo in 2008 and since that architects constructions on different codes. In the past two years, works as collaborator on Mag! and spot magazines writing about cultural and politic issues. As Video designer has more than 30 videos produced on youtube - and worked as vj in Lego (Casa dos Criadores), Perversa (Gloria Club) and Tapa an Pantera (a Lôca) parties. In the 24h collective he has been producing urban interventions like collage and pixie, always looking for the development of a modular prototypic sign

ARIANE STOLFI architect, composer and programmer, deals with a lot of languages. With master degree from the University of São Paulo, your major occupation is in graphic design and since 2008 gives classes and workshops on design ins places like sec and CCJ. On the 24h collective, she joins urban interventions, performance and collage. In 2004, she started to play as percussionist and to produce electronic music and since then, composed a series of songs in several musical genres. She also owns the finetanks record label, that collect avant-garde productions on brazilian popular music. Lately, has been dedicated to the study of application programming audio or video on Pure Data, like the application developed for the Cromocinetics performance, that build images of concrete inspiration from the interation with the audio, in a syneasthesic relation.

FERNANDO BIZARRI REQUENA Grew among the pioneers of the paulista post-hardcore, embarked into the instrumental free-improvisation with the band Cubo and the duo Fletcher+Mundson and today is the man behind the project Organograma. The electronic performance project started in the year 2000, is dedicated to the formal and conceptual investigation of the established relations between time, space, culture and politics in the music, in view of the new technologic medium. This work results dialogs with the virtuality of the medium and explores the distortion of the conventional notions of time in musical experience and walks trough the transcendental in the aesthetic project of the tectonic music. In 2009 the project was highlighted in the Fiberonline website, and had the provocative track "teologia ad prosperidade" included among works of artists from Brazil, Europe and USA in Psicotropicodelia Music, selection of the majors artists from the netlabel Psicotropicodelia. Uniu-se ao coletivo 24h a partir ad performance Cromocinética.